"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

terça-feira, 3 de agosto de 2010

A leitura Popular da Bíblia e a Espiritualidade Inaciana

João Inácio Wenzel, SJ
O passado e o presente se fundem na leitura popular da Bíblia. Por leitura popular entendemos a leitura que busca na Bíblia a água viva que alimenta a experiência libertadora do Deus da vida. Experiência que faz a pessoa sair de si e se abrir às necessidades das outras pessoas.

Experiência de Deus ontem e hoje

Ao ler ou escutar a experiência de Deus do povo da Bíblia, o povo de hoje faz uma nova experiência de Deus. Dizia uma liderança de comunidade: “Eu não era muito ligada nas coisas de Deus, mas um dia, quando estava muito mal, ao ouvir a leitura do apocalipse 12, sobre Maria, senti uma forte comoção interna, minha pele ficou toda arrepiada, as pernas bambas... Senti Deus através de Maria”.
Não é raro encontrar pessoas que, ao ler a Bíblia, encontram uma formulação para a sua própria experiência de vida. Certo dia, uma pessoa da oficina de espiritualidade, desafiada a explicitar como Deus age em sua vida, começou a contar a seguinte história: “Um dia, ao sair da missa, indo em direção ao carro, foi abordada por assaltantes que tomaram meu carro e me forçaram a entrar e me levaram para fora da cidade. Não sabia onde estava. Tinha certeza de que iriam me matar. Surpreendi-me que fiquei calma, conversei com os assaltantes o tempo todo, procurando acalmá-los. De repente mandaram-me descer num lugar ermo, e saí caminhando descalça...” Seu relato ficou interrompido pela emoção. Depois respirou fundo e continuou: “Vocês sabem! Aconteceu comigo o que diz o Salmo 91”. Ela não disse mais nada e todos permaneceram em silêncio. Ela não encontrou palavras para expressar como Deus agiu nela, nessa dura experiência. Se nós quisermos saber o que se passou com ela precisamos ir ao salmo: “Meu refúgio, minha fortaleza, meu Deus em quem confio... Ele te livrará do laço do caçador... Não temerás os temores da noite... Ele me invocará e eu lhe darei resposta...”
Neste caso, a leitura que se faz da Bíblia se funde de tal maneira que já não sabemos se somos nós que lemos a Bíblia ou se é a Bíblia que lê e interpreta a nossa vida.
No entanto, essas experiências não são isoladas. Muitas vezes pessoas que participaram de assembléias ou conferências que definem linhas de ação pastoral resumem a sua experiência na seguinte expressão: “foi uma forte experiência de Deus”. Os bispos que participaram do Concílio Vaticano Segundo, ao apresentarem a “Constituição Dogmática Dei Verbum sobre a Revelação de Deus” recorrem a uma expressão da primeira carta de João, para transmitirem a experiência que vivenciaram: Aquilo que vimos e ouvimos nós agora anunciamos a vocês... (1 Jo 1,3). A letra, as palavras, são as mesmas usadas, mas o contexto é totalmente diferente. João se referia a uma pequena comunidade da Ásia, no fim do primeiro século. Os bispos, por usa vez, a milhões de católicos do século XX. Mudaram os autores, os destinatários, o lugar e a data, mas parece que é com estas palavras que melhor conseguem expressar a experiência do Espírito que vivenciaram no Concílio.

A palavra da Escritura e a experiência de vida

Os exemplos acima ilustram bem o jeito de o povo ler a Bíblia. Nela encontramos três grandes convicções: A Bíblia é Palavra de Deus, ilumina a situação que se vive e ajuda a compreender como Deus nos fala hoje. Contamos nossa experiência de vida e concluímos: “Foi Deus”; “só por Deus!” Lemos a Sagrada Escritura solenemente nas leituras e concluímos dizendo: “Palavra de Deus”; “Palavra da Salvação”. Mas onde está a fonte da Palavra? Quando que “a letra morta”, no dizer de Paulo apóstolo, se torna Palavra Viva? Como sentimos ou percebemos que Deus nos fala pela Palavra escrita na Bíblia ou nos acontecimentos da vida?
Responder a essas perguntas exige de nós ir a busca da fonte de vida que encontramos na relação dialética entre a Palavra da Escritura e a experiência de vida. A experiência de Deus que fazemos na vida nos remete à Palavra revelada e a Palavra da escritura se torna fonte de vida. Lemos a Bíblia e nos reconhecemos sendo parte dela. Interpretamos os textos e nos percebemos sendo interpretados por eles.
Isso não quer dizer que a Bíblia deva ser usada como mera embalagem para apresentar e dar razão às nossas idéias. Pelo contrário, isso exige de nós sermos fiéis ao passado e ao presente, ao texto e ao povo. Em outras palavras, exige de nós uma fidelidade criativa, para responder aos desafios dos nossos tempos.

Como Jesus lê a Escrituras?

O critério básico para esta fidelidade, para nós cristãos e cristãs, é a maneira de Jesus ler e interpretar a Bíblia. Por um lado Ele diz claramente, no ensinamento sobre a montanha, de que não veio “revogar a Lei e os Profetas” e sim “dar-lhes pleno cumprimento” (Mt 5,17); e por outro lado Ele é acusado de ser um transgressor da lei de não trabalhar em dia de sábado (Lc 13, 14). Qual então foi o critério que Jesus utilizou para ler e interpretar as Escrituras se Ele, por um lado diz que “não será omitido nem um só i, uma só vírgula da Lei” (Mt 7, 18) e, por outro, realiza curas justamente em dia de sábado, o que era proibido pela lei de Moisés?
No ensinamento sobre o cumprimento da lei Jesus fornece a seguinte chave de compreensão: “Se a vossa justiça não exceder a dos escribas e a dos fariseus, não entrareis no Reino dos céus” (Mt 5,20). E conclui dizendo: “Sede perfeitos como vosso Pai celeste é perfeito” (Mt 5,48). No ensinamento na sinagoga Jesus explica seu critério básico de interpretação das Escrituras: “Cada um vós, no sábado, não solta seu boi ou seu asno do estábulo para levá-lo a beber? E esta filha de Abraão que Satanás prendeu há dezoito anos, não convinha soltá-la no dia de sábado?” (Lc 13,15s). Jesus retoma, deste modo, o espírito com que a lei deve ser interpretada: não para escravizar, mas para libertar as pessoas. Foi esta a razão pela qual Deus nos deu a lei: “Eu sou o Senhor teu Deus, que te fez sair da terra do Egito, da casa da escravidão” (Ex 20,2). E no centro do decálogo esta a seguinte lei: “não matarás”. Dito de modo positivo: promova a vida.
Numa outra ocasião, Jesus se defronta com uma situação em que os inimigos de Jesus estavam na sinagoga só para ver se Jesus iria curar o homem da mão seca, para acusá-lo (Mc 3,1-6). Jesus o chama para o meio e pergunta a todos: “Em dia de sábado, o que é permitido: fazer o bem ou fazer o mal, salvar uma vida ou matar?” Como se silenciam covardemente, Jesus afirma em alto e bom tom: “Estenda a mão”.
O que Jesus fez foi colocar em prática a lei de Moisés que apela para a responsabilidade de cada um optar pela vida: “Eu te propus a vida e a morte, a bênção ou a maldição. Escolhe, pois a vida, para que vivas tu e tua descendência” (Dt 30,19).
Jesus optou pela vida e proporcionou mais vida ao homem que tinha a mão seca, e os defensores da lei acabaram optando, na prática pela morte, pois saem dali “para conspirar contra Ele sobre como o destruiriam”.
Portanto, promover e defender a vida em todas as instâncias e em todas as relações é o critério referencial para captar a mensagem da Palavra, quer seja da leitura da Bíblia, quer seja em captar os sinais de Deus que fala pela vida.

Por que lemos a Bíblia?

Não se trata de fazer uma leitura para suscitar um mero bem estar, pois este pode ser também causado por outras circunstâncias. Trata-se de estarmos atentos aos sinais do Espírito, tanto quando Ele nos desafia ou suscita indignação diante da realidade, quanto quando nos faz cantar as suas maravilhas pelas surpresas da vida.
O método Ver, Julgar e Agir em muito contribui para uma nova visão da revelação de Deus. Parte-se do ver a situação do povo e, somente então, após uma análise crítica da realidade, com a ajuda da Bíblia, procura-se julgar ou iluminar esta situação. Assim, a fala ou a revelação de Deus não vem da Bíblia, mas dos fatos iluminados pela Bíblia. E são estes que levam a agir de maneira nova (C. Mesters. Palavra na Vida 222, p.9). Desta forma, o objetivo primeiro da leitura bíblica não é conhecer a Bíblia, mas interpretar a vida com a ajuda da Bíblia.

Como ler a Bíblia

Um bom exemplo de como Jesus anima as pessoas pela Palavra de Deus é o exemplo dos discípulos de Emaús (Lc 24,13-35). Jesus aparece como forasteiro e se aproxima deles, capta a sua confiança e faz com que falem das razões de sua decepção e desistência da caminhada. Somente depois de escutá-los e de perguntar sobre outras possibilidades de interpretação dos fatos, ilumina a realidade com o que dizia a lei de Moisés nos livros do Pentateuco e nos livros proféticos.
A Palavra de Jesus fez aquecer o coração dos discípulos, mas não foi suficiente para que reconhecessem que era o Ressuscitado. Somente na fração do pão, em comunidade, que se dá o estalo e todo caminho fica iluminado. Somente quando se põe em prática o que a Palavra ensina, acolhendo as pessoas e partindo o pão com eles, que se entende realmente o significado dela.
Portanto, partir da realidade da vida, iluminá-la com a Palavra e vivê-la em comunidade, são como três pilares sobre a qual se fundamenta a leitura popular da Bíblia. Como o fez Jesus, seguimos os mesmos passos:
Partindo da realidade das pessoas  (estavam com o rosto triste),
·         Preocupados com a transformação da sociedade (eles esperavam a libertação de Israel),
·         Acolhendo as pessoas e repartindo o pão nas comunidades.
Ler a Bíblia significa, portanto, escutar Deus no chão da realidade, em comunidade. A Bíblia, a vida e a comunidade são inseparáveis.

Captar a mensagem de Deus na linguagem humana

Lemos a Bíblia para captar o que Deus nos quer revelar. Na liturgia, ao terminar a leitura afirmamos: “Palavra de Deus”. Como assim?
Ao afirmar que a Bíblia é palavra de Deus não se quer dizer de que ela tenha sido escrita por alguém que teve contato telefônico direto com Deus, mas que Deus não está alheio à história humana. A Bíblia não surge como um conjunto de livros ditados por Deus, mas como relatos da experiênica do povo interpretados à luz da fé. Ao relatar essas experiências os autores e as autoras tiveram de usar uma linguagem sujeita a todo as vicissitudes da literatura humana. A palavra de Deus encarnou-se na palavra humana. É “palavra de Deus na língua dos homens”, como diz uma canção da missa da terra sem males. Deus, juntamente com e através dos “verdadeiros autores humanos”, é o “autor” da Bíblia. É livro de Deus e dos homens, escrita por ambos. Pelos homens e mulheres no papel, por Deus, na vida.
A Bíblia usa muitos símbolos, imagens e comparações. Para falar de Deus o livro de Gênesis fala de um oleiro (Gn 2,7); para falar da misericórdia do Pai Jesus conta a parábola do “Pai Misericordioso” (Lc 15, 11-32); e para falar do Reino de Deus Jesus usa parábolas e comparações que falam em semente, trigo, grão de mostarda, rede, pérola, talento... (Mt 13).
O modo mais simples que o povo da Bíblia encontrou para falar de Deus foi descrevê-lo como se fosse humano: um Deus que tem mãos (Gn 7,16), olhos (Ex 3,7), boca (Gn 2,7), que fica zangado, que se arrepende (Gn 6,6), que usa escudo e lança...
É preciso levar em conta também a cultura do povo que escreveu a Bíblia. Costumam usar uma linguagem forte. Expressam-se por contrastes extremos. Usam uma linguagem emocional e simbólica, como em Mateus 5,29. Quando Jesus fala que no “céu há muitas moradas”, não está falando em condomínio com diferentes padrões de conforto...
Na mesma lógica precisamos entender a função do milagre no texto bíblico. “A grande preocupação, ao relatar um milagre, é evidenciar a presença de Deus num acontecimento e ensinar algo por meio do relato. A violação das leis naturais não tinha papel de destaque. O evangelho de João chama os milagres e sinais: são de fato sinais do que Deus quer para o mundo e para a ação de cada um de nós. Vale mais destacar a mensagem que o milagre comunica do que ficar somente deslumbrado com o lado extraordinário do evento” (Estudos da CNBB 86, n. 44).
No caso da multiplicação dos pães, a mensagem que fica é: E o que estamos nós fazendo para repartir melhor o pão? No caso em que Jesus ficou comovido de compaixão por causa de uma viúva que perdeu seu filho único, a mensagem que fica é: Que estamos fazendo para socorrer tantas mães que vêem seus filhos expostos à morte prematura?

O modo inaciano de ler a Bíblia

Esta forma de ler a Escritura também a encontramos na metodologia dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio. Para meditar ou contemplar um texto bíblico, Inácio propõe ao exercitante a composição vendo o lugar. Com isso somos desafiados a ver o contexto, inserir-nos e até mesmo participar dele, como se isso que está sendo narrado na Bíblia estivesse acontecendo conosco. Neste momento não interessa o estudo do texto, o conhecimento bíblico em si, mas o entendimento do que Deus nos quer revelar. Por isso Inácio insiste tanto em sentir e saborear intimamente a Palavra tirando dela proveito. É como se dissesse: é ali que se encontra a fonte da Palavra, a fonte da vida. Sentindo e saboreando se vai experienciando a sabedoria de Deus e o que Deus nos quer falar. Ao contemplar os mistérios da vida, paixão, morte e ressurreição de Cristo, santo Inácio insiste no pedido da graça do “conhecimento interno do Senhor, para que mais o ame e o siga” (EE 104). Não é um conhecimento intelectual sobre a vida de Cristo, mas em “sentir e saborear” a presença do Senhor para crescer afetivamente no amor que se manifesta no seguimento. As palavras “sabor” e “saber” contêm a mesma raiz - Sofia. Desta forma, a Palavra saboreada se faz carne e habita no meio de nós (Jo 1,14).
Segundo esse sentir e saborear da Palavra Inácio convida o exercitante a dar um passo a mais em sua oração, fazendo um colóquio, dirigindo-nos diretamente à fonte da Palavra agradecendo ou pedindo mais luz para compreender a Sua vontade ao nosso respeito; ou seja, simplesmente deixar que “o próprio Espírito interceda por nós com gemidos inefáveis” (Rm 8,26b).
Deus nos fala sempre. A questão está em perceber, ouvir e discernir o que está a nos dizer. Nem tudo o que vivenciamos é suscitado pelo espírito de Deus. Muita coisa também é suscitada pelos afetos desordenados. Por isso é preciso estar atento para fazer o exame após cada experiência vivida, para perceber de onde veio esse movimento interno e a que leva.
Certamente um bom critério para sabermos se estamos ouvindo a Palavra e sendo fiéis a ela, é se nosso modo de proceder gera humanidade e se, ao mesmo tempo, nos deixamos humanizar. Pois quanto mais nos humanizamos, mais nos revestimos dos sentimentos daquele que se esvaziou a si mesmo e assumiu a condição de servo (cf. Fl 2, 5-11).
Esse é o modo inaciano de fazer leitura orante da Bíblia e encontrar nela a vontade de Deus.

Dicas finais

Queremos destacar algumas atitudes importantes a serem cultivadas na leitura da Bíblia, como sugere a CNBB em: Crescer na leitura da Bíblia, número 65:
1.       Lembrar que temos em Jesus a melhor imagem do Pai, olhando o conjunto de sua vida e o significado de sua missão;
2.       Não tomar textos isolados como se fossem a idéia de Deus que a Bíblia quer comunicar no seu conjunto;
3.       Perceber como, por que e em que situação cada texto nasceu, para assim compreender melhor as motivações daquilo que está escrito;
4.       Analisar nosso próprio modo de imaginar Deus, para ver se não estamos muitas vezes fabricando um Deus à nossa moda e com isso achando desculpas para faltar com a caridade e ignorar o direito do próximo.

Bibliografia:

BOHN GASS, Ildo (Org.), Porta de Entrada. Coleção: Uma Introdução à Bíblia, n. 1.  Paulus / CEBI, 2002.
MESTERS, C. e OROFINO, F. O Caminho por onde caminhamos. Reflexões sobre o método de interpretação da Bíblia, em: Palavra na Vida 222
CNBB. Crescer na leitura da Bíblia. Coleção Estudos da CNBB, 86. Paulus, 2003.
Dei Verbum. Concílio Vaticano II
FRIGERIO, Tea. Introdução geral ao estudo da Bíblia (Curso popular de Bíblia 1). São Leopoldo: CEBI, 2005.
KONINGS, Johan. A Bíblia nas suas origens e hoje. Vozes, 1998 (especialmente os capítulos 1 e 2, 7 e 8).
VV.AA, História do Povo de Deus. (Roteiros de Reflexão 1). São Leopoldo: CEBI, 1995. 

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.