"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

sexta-feira, 17 de março de 2017

A beira do poço de Jacó

Dom Alberto Taveira Corrêa
Arcebispo de Belém do Pará


Em nossa caminhada quaresmal, somos ajudados por uma mulher da Samaria, mas desejamos ser conduzidos, neste Ano Mariano Nacional, pelas mãos pela Virgem Maria, Mãe de Misericórdia, que volta para nós seu olhar e nos mostra Jesus. Na Arquidiocese de Belém, esta será uma semana especial, com a chegada e peregrinação da Imagem de Nossa Senhora Aparecida. Unimo-nos a todo o Brasil, no terceiro centenário do encontro de sua imagem, no Rio Paraíba, para percorrer as sete regiões episcopais de nossa Igreja, em romaria pelas Paróquias com títulos marianos. Vamos, mais uma vez, ao encontro das raízes marianas de nossa formação na fé, sabendo que Maria nos conduz a Jesus, seu Filho amado.

Jesus é a Palavra Eterna do Pai que se faz carne, entrando nos ambientes e no relacionamento das pessoas de seu tempo. Inclusive as intrigas tribais e inimizades que atravessam gerações são como que tocadas por ele, para estabelecer novos critérios no trato com as pessoas. Imaginemos o quanto seus próprios discípulos se espantaram ao vê-lo conversando sozinho com uma mulher, no olho das desconfianças entre judeus e samaritanos, que se fizeram inimigos históricos! Tanto é verdade que dois discípulos do círculo que lhe era mais próximo (Cf. Lc 9, 51-56), Tiago e João, foram repreendidos ao desejar que caísse fogo do céu sobre samaritanos que não os acolheram. E sabemos que, em outra ocasião, foi a figura de um samaritano que Jesus tomou para reconhecer o modelo do amor ao próximo e do serviço, na parábola do "bom" samaritano (Cf. Lc 10, 25-37), convidando a "fazer o mesmo" que um samaritano (Lc 10, 37). Agora, à beira do poço. No episódio colocado diante de nossos olhos, numa viagem da Galileia para a Judeia, "era preciso que ele passasse pela Samaria. Chegou, pois, a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, perto da propriedade que Jacó tinha dado a seu filho José. Havia ali a fonte de Jacó. Jesus, cansado da viagem, sentou-se junto à fonte. Era por volta do meio-dia" (Jo 4, 4-6). Certamente "era preciso", para que nenhum de nós pense ser fortuito o encontro com a Samaritana. Era preciso para sua vida e salvação! Era preciso para que todos nós nos aproximemos do mesmo poço, com nossas histórias e perguntas com nossos mistérios mais profundos.
Vale observar a carga de humanidade que a cena descrita pelo Evangelho de João comunica! Jesus é Deus, mas tem sede, precisa descansar assentado à beira de um poço, no maior calor do dia, pede água, conversa, provoca, escuta, fica sabendo de histórias familiares, acolhe pessoas, é gente!
Desejamos visitar Sicar (Jo 4, 1-42), onde se encontra o Poço de Jacó e Jesus conversou com a Samaritana. Esta entrou de forma tão delicada e ao mesmo tempo forte no Evangelho, tornando-se anunciadora do Cristo, que lhe revelou tudo o que tinha feito. Através de Sicar, visitamos as famílias de nosso tempo, no estado em que se encontram, mesmo aquelas que já estiverem na quinta união! Trata-se de olhar para cada família, começando da nossa, com suas qualidades e defeitos, para, assentados à beira do poço de Água viva, que é o Filho da Virgem Maria, beber da fonte de água pura (Cf. Jo 4, 10), para a santidade do matrimônio e da família. Não percamos de vista o ideal a ser alcançado e, ao mesmo tempo, tenhamos os sentimentos de realismo e misericórdia diante do que se vive hoje.
"Cada família tem diante de si o ícone da família de Nazaré, com o seu dia-a-dia feito de fadigas e até de pesadelos, como quando teve que sofrer a violência incompreensível de Herodes, experiência que ainda hoje se repete tragicamente em muitas famílias de refugiados descartados e inermes. Como os Magos, as famílias são convidadas a contemplar o Menino com sua Mãe, a prostrar-se e adorá-lo (Cf. Mt 2, 11). Como Maria, são exortadas a viver, com coragem e serenidade, os desafios familiares tristes e entusiasmantes, e a guardar e meditar no coração as maravilhas de Deus (Cf. Lc 2, 19.51). No tesouro do coração de Maria, estão também todos os acontecimentos de cada uma das nossas famílias, que ela guarda solicitamente. Por isso pode ajudar-nos a interpretá-los de modo a reconhecer a mensagem de Deus na história familiar" (Papa Francisco - Amoris Laetitia 30).
Os homens e as mulheres chamados a esta belíssima vocação são convidados a renová-la na Quaresma, e todos estamos unidos pela santificação de nossas famílias. Diante das famílias, desejamos oferecer o serviço da consolação: "A misericórdia possui o rosto da consolação. 'Consolai, consolai o meu povo' (Is 40, 1): são as palavras sinceras que o profeta faz ouvir ainda hoje, para que possa chegar uma palavra de esperança a quantos estão no sofrimento e na aflição. Nunca deixemos que nos roubem a esperança que provém da fé no Senhor ressuscitado. É verdade que muitas vezes somos sujeitos a duras provas, mas não deve jamais esmorecer a certeza de que o Senhor nos ama. A sua misericórdia expressa-se também na proximidade, no carinho e no apoio que muitos irmãos e irmãs podem oferecer quando sobrevêm os dias da tristeza e da aflição. Enxugar as lágrimas é uma ação concreta que rompe o círculo de solidão onde muitas vezes se fica encerrado" (Papa Francisco, Misericordia et Misera, 13).
Há muitos poços de Jacó espalhados pelas nossas cidades, esperando alguém que chegue em nome de Jesus para escutar e refazer estradas, sem medo de ir ao fundo das interrogações humanas e da diversidade de situações familiares, que clamam por presença e consolação. Há gente com sede de água viva gritando por socorro, clamando por cristãos que aceitem ser pequenos e simples, começando de novo, sem se escandalizarem com histórias de dor e lágrimas. Saibam os que acolherem o convite que podem estar escondidas por estas paragens muitas pessoas que no futuro dirão como os concidadãos da mulher samaritana. "Já não é por causa daquilo que contaste que cremos, pois nós mesmos ouvimos e sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo" (Jo 4, 42).

http://www.cnbb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=20458:a-beira-do-poco-de-jaco&catid=426&Itemid=204

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.