"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Princesa Isabel, Mulher Extraordinária

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo de Juiz de Fora


Ao despedir-se do Brasil, no dia 17 de novembro de 1889, quando a família imperial foi injusta e cruelmente expulsa de sua pátria, após o golpe militar que instalou a República no país, como bem demonstra Laurentino Gomes em seu livro “1889”, Sua Alteza Dona Isabel sofria.
Era mesmo terrível aquele episódio feito sem apoio popular, obrigando aqueles que tudo fizeram pelo Brasil independente, de uma noite para o dia, saírem de seus palácios e meterem-se num navio, sem nenhuma preparação, para irem para a Europa, banidos de seus direitos e humilhados em sua dignidade. Os relatos da época demonstram que o povo amava a família imperial e venerava a Dom Pedro II como um pai e a Princesa como verdadeira mãe a quem desejava como Imperatriz sucessora. Porém, mulher forte, dotada de nobreza, de altivez e, sobretudo, de uma fé inabalável em Deus, partia com a alma lavada por ter vencido a ideologia escravocrata dos ricos fazendeiros e políticos que causaram a queda de seu idolatrado pai. É conhecido na história brasileira o diálogo entre a Princesa e o Barão de Cotegipe, quando, após a assinatura da Leia Áurea, disse ela ao Barão : “Então, Sr Barão, ganhei ou não a partida?” Ele, cortesmente, respondeu: “Certamente, Alteza, mas perdeu o trono”. 
Ao estudar os movimentos políticos da segunda metade do século XIX no Brasil, verifica-se que a causa escravagista marcou profundamente a queda da monarquia. Apegados aos lucros fáceis de uma sociedade que gastava muito pouco com a mão de obra operária, sobretudo na lavoura, os grandes fazendeiros causaram ao Brasil a vergonha de ter sido o último país das Américas a abolir, por completo, a escravatura. Não por culpa do Império, pois a família imperial tinha posições bastante contrárias a tal regime trabalhista, demonstrando várias iniciativas em favor da abolição. Porém, a Monarquia Brasileira não era absolutista, mas parlamentarista e o Parlamento era dominado pelos ricos, receosos de perder sua lucratividade.       
Entre as coisas interessantes da vida de Isabel, a Redentora, está a festa de seu casamento, acontecido no dia 15 de outubro de 1864, na Capela Imperial, hoje Igreja de São Sebastião, no centro do Rio de Janeiro, numa memorável cerimônia que uniu a Princesa ao Conde D’Eu, neto do Rei Luis Felipe da França. Ela contava com 17 anos de idade e ele 23. Após o enlace solenemente celebrado diante do altar, Dom Pedro II assinava dois decretos: um, nomeando o novel esposo como Marechal do Exército brasileiro e o segundo, libertando todos os escravos da casa imperial, sendo este último um pedido fervoroso de sua filha e herdeira de seu trono.     
Já o Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, amigo da família imperial, havia abolido a escravatura no seu recinto interno, e Dom Antônio Ferreira Viçoso,  7º Bispo de Mariana (1844-1878), apresentado pelo Império ao Papa, dentro do regime do Padroado que unia a Igreja ao Estado, libertou os escravos da Diocese, tão logo tomou posse na sede marianense, o que resultou numa emocionante homenagem que os escravos lhe promoveram, como narra Dom Silvério Gomes Pimenta em sua magnífica obra “A Vida de Dom Viçoso”.
Os princípios morais e profundamente religiosos da Princesa, bem como sua elevada cultura intelectual são resultado de uma educação primorosa que Dom Pedro II, homem culto, inteligente e humanista, lhe proporcionou desde criança, dando-lhe preceptores de alto nível acadêmico, nas aulas que ocupavam todas as manhãs e todas as tardes até as vésperas do casamento. Sua principal educadora foi a Condessa de Barral, Luiza Maria de Barros, a quem a Princesa dedicava verdadeira admiração.           
Notável é a correspondência da Princesa com os Papas Pio IX (1844 - 1878), Leão XIII (1878 - 1903) e Papa Pio X (1903 - 1914) quando, entre outros assuntos, Sua Alteza propunha aos Sumos Pontífices a proclamação do Dogma da Assunção Gloriosa de Maria ao Céu, o que veio a acontecer em 1950, já com o Papa Pio XII (1939 - 1958), 29 anos após o falecimento da Princesa, ocorrido em Paris, aos 14 de novembro de 1921, com 75 anos de idade, tendo nascido no Rio de Janeiro, a 29 de julho de 1846, uma quarta-feira, às 18h45. Hoje, os seus mortais se encontram na Catedral de Petrópolis.      
Quando a Princesa assinou a Lei Áurea, no dia 13 de maio de 1888, o Papa Leão XIII lhe enviou a Rosa de Ouro, uma das maiores honrarias prestadas pela Santa Sé a eventos e a personalidades de destaque na história do mundo
http://www.cnbb.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=19207:princesa-isabel-mulher-extraordinaria&catid=336&Itemid=204

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.