"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Viver em tempos de crise

Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger

Viver em tempos de crise

Dom Murilo Sebastião Ramos KriegerArcebispo de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil


A palavra "crise" é de origem grega ("krísis") e significava, para os gregos, a ação ou a faculdade de distinguir e de decidir. Eles tinham em mente aqueles momentos em que era preciso escolher entre duas ou mais opções. Escolher, percebiam, é sempre um risco. Para diminuir a possibilidade de uma decisão errada, quem estava em crise deveria pensar, ponderar e julgar. Enfrentar uma crise não significava, pois, necessariamente, algo negativo. Os gregos haviam aprendido que momentos de crise podem ser positivos, se a decisão for tomada após o devido discernimento.

Diante das notícias de corrupção, desvios e favorecimentos que os meios de comunicação despejam diariamente em nossas casas; diante do constante aumento de preço dos artigos e serviços de que necessitamos diariamente; do número crescente de desempregados e da insegurança que envolve a sociedade brasileira, é comum a palavra "crise" dominar conversas, discussões e debates. "Estamos em crise", repetem muitos. "A crise cresce cada dia", comentam outros. Isso significa que vivemos um momento necessariamente negativo?
Muitas transformações no mundo aconteceram em momentos de crise. Não poucas invenções ocorreram em tempos de guerra. Decisões que foram tomadas quando tudo parecia perdido modificaram, para melhor, a vida de muitos. É verdade que quando o julgamento não foi adequado e as decisões tomadas foram falhas, as crises enfrentadas produziram consequências negativas, prejudicando a não poucos.
Como vivermos, pois, em tempos de crise e sairmos vitorioso dela?  Não existe um manual que nos dê as respostas desejadas. Existe, sim, uma certeza: em momentos de crise, nossos julgamentos devem ter por base valores que são eternos.
Em primeiro lugar, perguntemo-nos: o que, realmente, está guiando a nossa vida? Na base de nossos sonhos de felicidade encontram-se ideias, desejos e metas capazes de realmente nos dar aquilo que buscamos? A fama é passageira: quem se lembra da medalha olímpica daquele corredor que venceu a corrida de 400 metros nas Olimpíadas de Atenas? O dinheiro, buscado por si mesmo, ajuda a pessoa a encher o seu bolso, a dar conforto aos familiares e a obter inúmeros bens. Mas garante a felicidade que tanto desejamos? O poder pode fazer a pessoa ser endeusada e invejada. Compensa, contudo, o sacrifício e, por vezes, o sofrimento que causou a muitos, para ser conquistado?
Para se crescer na crise é necessário que se dê um sentido à própria vida. Encontramos esse sentido na busca do bem comum. Quando a sociedade é construída para favorecer uns poucos; quando massas imensas são vistas como "sobra", a insatisfação torna-se a companheira de todos. Se pensarmos em nossa própria história, veremos que os momentos que deixaram lembranças mais profundas e alegres em nossa vida foram aqueles em que nos sacrificamos para que a sociedade fosse melhor.
Momentos de crise exigem a retomada da ética. Certa vez, um advogado, professor universitário, depois de estudar detidamente os 10 Mandamentos da Lei de Deus, me disse: "Se todos observassem esses Mandamentos, teríamos uma sociedade perfeita!"
Em momentos de crise é necessário assumirmos o compromisso de oferecer toda a colaboração que for possível para a construção de um mundo melhor. Não importa se, ao nosso redor, outros não se comprometam com isso. O importante, sim, é nos unirmos aos que, como nós, buscam valores que ultrapassam o tempo; estão dispostos a lutar para romper a capa de egoísmo que teima cobri-los; lutam contra o individualismo que sufoca a sociedade; e assumem trabalhos voluntários com tal generosidade que acabam se tornando imprescindíveis na comunidade humana

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.