"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Liturgia do 2º DOMINGO DA PÁSCOA

DIOCESE DE LIMEIRA – 2º DOMINGO DA PÁSCOA

Dom Vilson Dias de Oliveira
Bispo Diocesano  de Limeira 

23 de abril de 2017



Felizes os que creem sem terem visto!”

Leituras: Atos dos Apóstolos 2, 42-47;
Salmo 117 (118), 2-4, 13-15.22-24 (R/1.1)
Primeira Carta de Pedro 1, 3-9;
João 20, 19-31.

COR LITÚRGICA: BRANCO OU DOURADO
I. RITOS INICIAIS
(Que o Círio Pascal seja o grande sinal deste Tempo Pascal)

Animador: Aleluia, irmãos e irmãs, Jesus ressuscitou e está entre nós. A comunidade está reunida e Jesus ressuscitado aparece e se coloca no meio deles, mostrando os sinais de seu amor. Transmite-lhes sua paz e seu Espírito. Tomé não estava, mas ao retornar faz a experiência com o Senhor ressuscitado. Assim deveriam ser nossas comunidades, lugar de experiência do encontro com o Senhor. Somos convidados a estar na comunidade e escutar o Senhor ressuscitado que está no meio de nós, concedendo sua paz e seu Espírito.

Situando-nos

Este Segundo Domingo da Páscoa da confissão de fé de Tomé é especialmente marcado pela fé batismal. O Ressuscitado novamente se manifesta à comunidade dos discípulos para fortalecê-los na fé em vista da missão.

Como narra o evangelista, quem não está na comunidade não vê o Senhor. A vida em comunidade favorece o cultivo da autêntica fé no Ressuscitado. Oito dias depois, novamente Jesus põe-se no meio deles e Tomé faz a sua grande profissão de fé, em comunidade. É na comunidade que nos tornamos oculares da ressurreição.

A certeza que o Senhor está vivo faz com que os discípulos vençam o medo e a insegurança.

Como os discípulos e Tomé, professemos nossa fé no Senhor Ressuscitado, que passou pela paixão e pela morte. O Senhor nos ajude, pela vivência de nosso batismo, a superarmos as expressões de morte, para vivermos o tempo novo da ressurreição.

Recordando a Palavra

A leitura dos Atos dos Apóstolos sublinha ser o encontro com Cristo ressuscitado quem constitui verdadeiras comunidades de irmãos e irmãs. A comunidade ideal está centrada na comunhão fraterna, na escuta da palavra, na fração do pão, memorial da Ceia do Senhor e nas orações. A vida nova de comunhão com Jesus manifesta-se no compromisso solidário com os irmãos: “Todos os que abraçavam a fé, viviam unidos e colocam tudo em comum; repartiam o dinheiro entre todos, conforme a necessidade de cada um” (2, 44-45).

O louvor comunitário e a comunhão fraterna, a alegria e a simplicidade revelam a eficácia da missão. O estilo alegre de vida, no seguimento a Jesus e no serviço ao reino, interpela todo o povo e assegura o crescimento contínuo da comunidade: “E, cada dia, o Senhor acrescentava ao seu número mais pessoas” (2,47), que aderiam à sua proposta salvífica.

No salmo 117 (118), o salmista (Sl 117/118) agradece ao Senhor por sua eterna misericórdia, transformando a pedra rejeitada pelos pedreiros na pedra principal. As comunidades primitivas viram a realização plena desse salmo em Cristo (cf. Mt 21,42; At 4,11; 1Pd 2,7). Por meio da vitória sobre a morte pela ressurreição, Jesus tornou-se a pedra principal do edifício, o alicerce da vida cristã.

O apóstolo Pedro, com pequeno hino litúrgico (cf 1,3-4), dá destaque à salvação realizada pelo Pai através do Filho. Bendito seja o Pai, que em sua grande misericórdia, “pela ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos, ele nos fez nascer de novo para uma esperança viva, para uma herança reservada aos céus” (1,3). Os cristãos, pelo batismo, renasceram para a vida nova, que provém da ressurreição de Cristo.




O exemplo de Cristo, que passou pelo “fogo” da paixão e morte para chegar à glória da ressurreição, impulsiona o testemunho da fé com alegria, em meio ao sofrimento e às provações. A imagem do ouro que, purificado pelo fogo, manifesta todo o seu esplendor, ilustra o caminho existencial de transformação pela ação do Espírito até a identificação com Jesus ressuscitado. A adesão ao Senhor, na esperança e no amor solidário, torna-se “fonte de alegria indizível e gloriosa” (1,8), pois proporciona experimentar, desde já, a vida nova de ressuscitados.

O Evangelho deste 2º Domingo da Páscoa começa com a manifestação do Ressuscitado aos discípulos, na tarde do mesmo dia da ressurreição. “Ao anoitecer daquele dia, o primeiro da semana”. A condenação e crucifixão do Mestre geraram nos discípulos um clima de medo e de isolamento. Na época em que o Evangelho de João foi redigido, os cristãos passaram pela mesma experiência, face às hostilidades e perseguições.

O Ressuscitado oferece a paz e infunde confiança: “Jesus entrou e, pôs-se no meio deles, disse: a paz esteja convosco” (20,19b). Conforme havia prometido (cf. Jo 14,27), Jesus transmite a verdadeira paz, dom de sua entrega por amor. Os sinais da paixão “nas mãos e no lado” revelam sua doação até a cruz e levam os discípulos a reconhecerem sua presença viva no meio deles. “Então os discípulos se alegraram por verem o Senhor” (20,20), o Ressuscitado.

A paz do Ressuscitado é a plenitude da salvação, que confirma os discípulos na missão libertadora: “Como o Pai me enviou, também eu vos envio” (20,21). Renovados e investidos com o Espírito Santo, eles são enviados para anunciar a alegria e a paz, dons do Ressuscitado. A força do Espírito torna os discípulos instrumentos de paz e de reconciliação, portadores da misericórdia e do perdão de Jesus: “A quem perdoardes os pecados, eles lhes serão perdoados” (20,23).

Tomé, que era um dos Doze, representa as dificuldades dos discípulos em crer na ressurreição de Jesus. A insistência de Tomé em comprovar as marcas da paixão, mostra que a fé em Cristo ressuscitado brota de sua doação total. A aclamação litúrgica: “Meu Senhor e meu Deus” (20,28) expressa a fé da comunidade em Jesus crucificado/ exaltado como Senhor e Deus. É a profissão de fé de quem encontra o Senhor no caminho do discipulado. Jesus proclama “bem-aventurados os que não creram sem terem visto” (20,29), os que creem e vivem conforme seus ensinamentos. O encontro com o Senhor, na comunidade que se reúne para celebrar a memória de sua vida, morte e ressurreição, leva ao testemunho da fé, como os primeiros discípulos e discípulas.

A ressurreição de Jesus é o grande sinal de amor, que plenifica os demais, realizados ao longo de seu ministério (cf. 1, 19-12,50). Os sinais que Jesus, o enviado de Deus, realizou foram testemunhados e escritos, para levar os seguidores de todos os tempos à adesão da fé e à vida plena em seu nome (cf. 20,31). O caminho da fé em Cristo ressuscitado é a fonte de vida eterna, que torna possível um mundo novo, novos céus e nova terra.

Atualizando a Palavra

A presença de Jesus ressuscitado oferece o dom da paz e o seu Espírito, que recria e vivifica a comunidade, em meio às dificuldades e perseguições, fazendo renascer a fé e a esperança na missão evangelizadora. A força do Ressuscitado nos transforma em instrumentos de misericórdia, justiça e paz. “A paz é possível, porque o Senhor venceu o mundo e sua permanente conflitualidade, “estabelecendo a paz (...) por seu sangue derramado na cruz” (Cl 1,20). Ao anunciar Jesus Cristo, que é a nossa paz em pessoa (cf. Ef 2,14), todo batizado é chamado a ser instrumento de pacificação e testemunha credível duma vida reconciliada” (ED, n.229, 239).

O encontro de Tomé com o Senhor indica o caminho de fé do discipulado. Quem acredita e segue o caminho da vida nova indicado pelo Ressuscitado é bem-aventurado. “Cristo foi verdadeiramente crucificado, verdadeiramente sepultado e ressuscitou verdadeiramente. Tudo isto foi para nós um dom da graça, a fim de que, participando da sua paixão através do mistério sacramental, obtenhamos na realidade a salvação. Ó maravilha de amor pela humanidade! Em seus pés e mãos inocentes, Cristo recebeu os cravos e suportou a dor; e eu, apenas pela comunhão em suas dores recebo gratuitamente a salvação” (cf. Catequese de Jerusalém, século IV. O Ofício das Leituras, quinta-feira na oitava da Páscoa).

Como nas comunidades primitivas, o encontro com o Ressuscitado nos impele a construir comunidades centradas na Palavra, na Eucaristia, nas orações e na comunhão fraterna, manifestada no compromisso solidário com as pessoas necessitadas. Justino, mártir, ao falar sobre a Eucaristia testemunha o sentido da Koinonia, do ter tudo em comum: “Com o que possuímos, socorremos a todos os necessitados e estamos sempre unidos uns aos outros. E por todas as coisas com que nos alimentamos, bendizemos o Criador do universo, por seu Filho Jesus Cristo e pelo Espírito Santo” (cf. São Justino, mártir. Apologia a favor dos cristãos, século II. Ofício das Leituras, 3º domingo da Páscoa). O Papa Francisco reitera que “na medida que Ele conseguiu reinar entre nós, a vida social será um espaço de fraternidade, de justiça, de paz, de dignidade para todos. Por isso, tanto o anúncio como a experiência cristã tendem a provocar consequências sociais” (Evangelii Gaudium, n.180).

Neste Domingo da Divina Misericórdia, instituído por São João Paulo II, somos convidados a professar a fé em Jesus, o Senhor, que revelou a misericórdia infinita do Pai através de sua obra redentora. A paz do Ressuscitado nos liberta, para construirmos um mundo reconciliado de amor, justiça e fraternidade. O Espírito de Cristo ressuscitado nos ilumina e fortalece, para anunciarmos seu perdão, sua misericórdia em meio aos desafios da missão cotidiana.

Ligando a Palavra com ação litúrgica

Os cristãos compreenderam, desde o início, que a Igreja é essencialmente assembleia convocada pelo Senhor que nele se torna presente e atuante na mesma. Fazer parte da assembleia litúrgica é fruto da fé e da comunhão com a Igreja em torno do Ressuscitado, pois a Igreja, Povo da nova Aliança, nasceu da Páscoa de Cristo.

Hoje, estamos reunidos para celebrar, na certeza de que Ele está no meio de nós. Afirma a Constituição sobre a Sagrada Liturgia do Vaticano II: “Para realizar tão grande obra, Cristo está sempre presente em sua Igreja, e especialmente nas ações litúrgicas. Está presente no sacrifício da missa, tanto na pessoa do ministro, pois aquele que agora se oferece pelo ministério sacerdotal é o ‘mesmo que, outrora, se ofereceu na cruz’, como, sobretudo nas espécies eucarísticas. Ele está presente pela sua virtude nos sacramentos, de tal modo que, quando alguém batiza, é o próprio Cristo quem batiza. Está presente na sua palavra, pois é ele quem fala quando na Igreja se leem as Sagradas Escrituras. Está presente, por fim, quando a Igreja ora e salmodia, ele que prometeu: ‘onde se acharem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles’ (Mt 18,20)” (CONCILIO VATICANO II. Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium (SC), n.17).

Que os dons pascais recebidos do Senhor nos ajudem a edificarmos a Igreja – casa da Palavra – sobre os quatro fundamentos: perseverança na escuta dos ensinamentos dos apóstolos, na comunhão fraterna, na fração do pão e nas orações.

Reunidos em torno do Senhor ressuscitado, nos tornamos lugar espiritual, ou seja, sacramento da sua presença.

Então, “neste dia que o Senhor fez para nós”, experimentamos sua presença viva na assembleia reunida, na palavra repartida e no mistério de sua entrega na Eucaristia. Assim, “fazei que compreendamos melhor o batismo que nos lavou, e o sangue que nos redimiu” (cf. oração do dia). Que sejamos um só corpo e um só espírito, enviados para espalhar no mudo a paz e a reconciliação, que dele recebemos.

Oração da Assembleia
Presidente: Jesus ressuscitado está presente entre nós, leva ao Pai nossa oração. Por isso com muita confiança, façamos nossos pedidos:
1. Senhor ressuscitado, olhe com carinho por toda tua Igreja, de um modo especial por cada um de nós, que estamos reunidos em seu nome. Ajude-nos a proclamar-Te com Palavras e com vida. Peçamos:
Todos: Ouvi-nos Senhor!
2. Senhor ressuscitado, faça com que nossos governantes possam sempre promover a vida, ajudando na ressurreição de nosso mundo. Peçamos:
3. Senhor ressuscitado, ajude-nos a viver como as primeiras comunidades, onde na oração, na Eucaristia, na obediência aos apóstolos e na partilha dos bens, anunciavam a Boa Nova do Evangelho. Peçamos:
4. Senhor ressuscitado, fortaleça aqueles e aquelas que sofrem, para passarem do sofrimento à alegria da vida e assim sentir o frescor da Ressurreição. Peçamos:
(Outras intenções)
Presidente: Senhor Jesus, como outros irmãos e irmãs que viveram antes de nós, nós te amamos sem Tê-lo visto e cremos na tua Ressurreição, ajude-nos a permanecer fiéis até o fim, vós que sois Deus com o Pai e o Espírito Santo.
Todos: Amém!

III. LITURGIA EUCARÍSTICA
Oração sobre as oferendas:
Acolhei, ó Deus, as oferendas do vosso povo (e dos que renasceram nesta Páscoa), para que, renovados pela profissão de fé e pelo batismo, consigamos a eterna felicidade. Por Cristo, nosso Senhor.
Todo: Amém

Oração depois da comunhão.
Concedei, ó Deus onipotente, que conservemos em nossa vida o sacramento pascal que recebemos. Por Cristo, nosso Senhor.
T.: Amém.

IV. RITOS FINAIS


BÊNÇÃO E DESPEDIDA:
Pres.: O Senhor esteja convosco.
T.: Ele está no meio de nós.

Pres.: Abençoe-vos o Deus todo-poderoso nesta solenidade da Páscoa, cheio de misericórdia vos defenda de todo o perigo do pecado.
T.: Amém.

Pres.: E aquele que na ressurreição do seu Unigênito vos restaura para a vida eterna vos cumule com os prêmios da imortalidade.
T.: Amém.

Pres.: A benção de Deus todo-poderoso Pai e Filho + e Espírito Santo desça sobre vós e permaneça para sempre.
T.: Amém.
Pres.: Levai a todos a alegria de Jesus Ressuscitado, ide em paz e o Senhor vos acompanhe. Aleluia, aleluia.
T.: Graças a Deus, Aleluia. Aleluia.


(Despede a assembléia)

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.