"Seja Bem vindo" - "Este é um espaço a serviço do Reino de Deus. Queremos fazer deste espaço um ponto de encontro com a Fé.” Encontros Catequéticos domingo, as 08h30. “Vida sim, aborto não!” "Este site usa cookies para ajudar a fornecer serviços. Ao usar o site, você concorda com o uso de cookies."

terça-feira, 25 de agosto de 2015

A fé, conveniência ou sentido para a vida?

Dom José Antonio Peruzzo

A fé, conveniência ou sentido para a vida?

Dom José Antônio PeruzzoArcebispo de Curitiba (PR)


Estando por estes dias em Israel, de onde escrevo estas linhas, após visitas e encontros de formação inspirados em textos bíblicos, pareceu-me importante retomar este tema, muito embora, de modo diferente, o mesmo já tenha aparecido nesta coluna. É que, em tempos de “modernidade líquida” (como diria Zygmunt Bauman), quando os valores, inclusive os éticos, parecem se dissolver, o retorno à reflexão se afigura necessário para que não nos distanciemos daqueles considerados fundantes e identificadores da própria pessoa humana.

Impressiona como até Deus e seu nome santo se tornaram produto intercambiável. Seu significado parece receber sempre novas matizações segundo gostos, preferências e até oportunismos. Ao menos no caso do Deus cristão, mais do que “adaptá-lo” segundo modismos religiosos, é preciso a humildade para acolhê-lo como se revelou. Sem essa premissa a experiência de fé seria, sim, alienadora. E a religião se tornaria apenas uma fuga do que não se pode explicar. Ou também conveniência, para que Deus nos dê o que nos agrada, mas não podemos ter.
É justamente esta a reflexão que salta aos olhos no evangelho deste domingo (Jo 6, 60-69). Trata o texto de palavras de Jesus dirigidas aos que se beneficiaram da multiplicação dos pães. O debate continuou por dias após o acontecimento. E Jesus se apresentara como “pão da vida”, como “pão vivo descido do céu”. Falava também de ressurreição. E eis a reação: “Esta palavra é dura! Quem pode escutá-la?” (Jo 6, 60). O evangelista até acrescenta que os “discípulos murmuravam entre si” face ao significado exigente de Jesus.
Algo de importante a observar é que eram os “discípulos” a murmurar. Não eram os judeus, não eram os adversários. Eram, sim, os que já tinham uma intensa história de convivência com o Senhor. Por que o murmúrio? Porque percebiam que o seguimento comportava disposições a mudanças de vida e renúncia no caminho da conversão. Queriam aqueles “discípulos” tão somente um tipo de seguimento e de identidade religiosa que atendesse a preferências acomodatícias. É algo como a amizade por interesse.
Ainda tomando em apreço a reflexão do evangelista, vale sua observação: “A partir daí, muitos dos seus discípulos voltaram atrás e não andavam com ele” (Jo 6, 66). Em outras palavras, a proximidade ao Senhor já não lhes era compensadora, não respondia às conveniências que almejavam. Na realidade, queriam que Jesus lhes apresentasse um Deus à sua imagem e semelhança. Tratava-se mais de um consumo religioso do que de relação de confiança e de amizade com o Senhor. E até Jesus se tornou um “produto descartável”.
Por toda a Sagrada Escritura enumeram-se os exemplos de religiosidade de conveniência, segundo a qual Deus serve na medida em que “me atende”. Mais do que relação com Ele, o pendor é explorá-lo. E vale a pena bater em diferentes portas até encontrar um Deus assim. Entretanto, outra é a face daquele Deus revelado por Jesus Cristo. Pedro até disse que ele, Jesus, tinha “palavras de vida eterna” (Jo 6, 69). Percebera ele que Jesus não era uma entidade religiosa a ser invocada em situações de apuros. Segui-lo comporta reconhecer n´Ele o caminho que transfigura o sentido da existência. Mais do que lhe apresentar pedidos, talvez tenha chegado o momento de nos perguntar sobre o que temos a oferecer a Ele.

http://www.cnbb.org.br/artigos-dos-bispos-1/dom-jose-antonio-peruzzo-2/17193-a-fe-conveniencia-ou-sentido-para-a-vida

"A catequese não prepara simplesmente para este ou aquele sacramento. O sacramento é uma consequência de uma adesão a proposta do Reino, vivida na Igreja (DNC 50)."

Documento Necessário para o Batismo e Crisma

Certidão de Nascimento ou Casamento do Batizando;

Comprovante de Casamento Civil e Religioso dos padrinhos;

Comprovante de Residência,

Cartões de encontro de Batismo dos padrinhos;

Documentos Necessários para Crisma:

RG do Crismando e Padrinho, Declaração de batismo do Crismando, Certidão ou declaração do Crisma do Padrinho, Certidão de Casamento Civil e Religioso do Padrinho/Madrinha e Crismando se casados.

Fonte: Catedral São Dimas

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Reflexão

REFLEXÃO

A porta larga que o mundo oferece para as pessoas é a busca da felicidade a partir do acúmulo de bens e de riquezas. A porta estreita é aquela dos que colocam somente em Deus a causa da própria felicidade e procuram encontrar em Deus o sentido para a sua vida. De fato, muitas pessoas falam de Deus e praticam atos religiosos, porém suas vidas são marcadas pelo interesse material, sendo que até mesmo a religião se torna um meio para o maior crescimento material, seja através da busca da projeção da própria pessoa através da instituição religiosa, seja por meio de orações que são muito mais petições relacionadas com o mundo da matéria do que um encontro pessoal com o Deus vivo e verdadeiro. Passar pela porta estreita significa assumir que Deus é o centro da nossa vida.

reflexão sobre o Dízimo

A espiritualidade do Dízimo

O dízimo carrega uma surpreendente alegria no contribuinte. Aqueles que se devotam a esta causa se sentem mais animados, confortados e motivados para viver a comunhão. O dízimo, certamente, não é uma questão de dinheiro contrariando o que muitos podem pensar. Ele só tem sentido quando nasce de uma proposta para se fazer a experiência de Deus na vida cristã. Somos chamados e convocados a este desafio.

Em caso contrario, ele se torna frio e distante; por vezes indiferente. A espiritualidade reequilibra os desafios que o dízimo carrega em si. "Honra o Senhor com tua riqueza. Com as primícias de teus rendimentos. Os teus celeiros se encherão de trigo. Teus lagares transbordarão de vinho" (Pr 3,9-10). Contribuir quando se tem de sobra, de certa forma, não é muito dispendioso e difícil. Participar da comunhão alinha o desafio do dízimo cristão.

Se desejar ler, aceno: Gn 28, 20-22; Lv 27, 30-32; Nm 18, 25-26 e Ml 3, 6-10.

Fonte : Pe. Jerônimo Gasques

http://www.portalnexo.com.br/Conteudo/?p=conteudo&CodConteudo=12

Programe-se

Catequese com Adultos/ Paróquia NSª do Rosário - todo domingo das 08h30 as 10h00 / "Vida Sim, Aborto não!"

" Encontros Catequéticos domingo, as 08h30."

*Catequese com Adultos/ Paróquia Nossa Senhora do Rosário - Vila Tesouro - São José dos Campos - SP. * "Vida sim, aborto não!

Este blog pode possuir foto (imagem) retirada da internet caso seja o autor, por favor, entre em contato para citarmos o credito.